PUBLICAÇÕES

NOTÍCIAS
VOLTAR

FacebookTwitterGoogle+ Email

10.06.2019 - 19:29 Por Nívea Souza

COMISSÃO DE SEGURANÇA ALIMENTAR DA ALERJ INTERDITA SUPERMERCADO EM SÃO JOÃO DE MERITI

1/1
  • Por Suellen Lessa
    Comissão de Segurança Alimentar
  • Por Suellen Lessa
    Vistoria da Comissão de Segurança Alimentar, no Super Mercado Extra de São João de Meriti
  • Por Suellen Lessa
    Vistoria da Comissão de Segurança Alimentar, no Super Mercado Extra de São João de Meriti
  • Por Suellen Lessa
    Vistoria da Comissão de Segurança Alimentar, no Super Mercado Extra de São João de Meriti
  • Por Suellen Lessa
    Vistoria da Comissão de Segurança Alimentar, no Super Mercado Extra de São João de Meriti
  • Por Suellen Lessa
    Vistoria da Comissão de Segurança Alimentar, no Super Mercado Extra de São João de Meriti

O Supermercado Extra localizado na Praça da Matriz, no centro de São João de Meriti, na Baixada Fluminense, foi interditado nesta segunda-feira (10/06), por tempo indeterminado, durante uma fiscalização conjunta da Comissão de Segurança Alimentar da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) e da Vigilância Sanitária do município. Foram inutilizados pelos fiscais 162 quilos de filé de frango, cinco quilos de costela suína resfriada, cinco caixas de suco de laranja fora da validade, um quilo de fraldinha suína, um quilo de bacalhau e 59 pets de pães variados e 5 pets de pão sírio com prazos de validade vencidos ou armazenados de forma irregular. Também foram detectados problemas nas instalações elétricas, depósito com portas enferrujadas, mofo nas saídas dos aparelhos de ar condicionado, veneno de rato colocado em bandejas utilizadas para embalar produtos e muitas fezes de rato em meio a alimentos como carnes, laticínios, e bebidas.

Reincidente

Segundo a presidente da Comissão, deputada Lucinha (PSDB), não é a primeira vez que o local é interditado. Em 2016, o estabelecimento foi fechado durante uma semana. “Nós temos um 0800 na Alerj em que recebemos denúncias desse supermercado tendo em vista a questão dos alimentos não estarem armazenados de acordo com a temperatura e também muita sujeira. A parte elétrica não tem manutenção e a qualquer momento pode ter um curto circuito e, pior ainda, um incêndio com pessoas aqui dentro. Também vimos de perto a realidade da parte do armazenamento dos pães, com muita sujeira, inseticida, ratos e fezes do animal", disse a deputada.

Lucinha afirmou que a partir do momento que uma pessoa come um alimento fora da data de validade, pode ter algum problema de saúde. "Hoje viemos aqui e constatamos uma quantidade enorme de materiais, que nós estamos inutilizando com muita pena. Mas que também não pode ser vendido porque está fora da validade", destacou a parlamentar, que ainda encontrou irregularidade nas caixas d’água do supermercado. “Primeiro que a caixa d'água de cima está completamente enferrujada e suja. Automaticamente a água que está ali dentro está contaminada. Um supermercado que não tem a água armazenada em lugar correto, decente, e que esteja realmente de acordo com as normas tem que ser lacrado. Sem água você não tem como fazer a lavagem dos alimentos e nem dos equipamentos do próprio estabelecimento, da própria padaria. Como vai lavar as panelas da padaria? O forno? Como você vai passar um pano se a água está toda contaminada? “, questionou a deputada.

Multas e intimações

Desde março deste ano o supermercado já recebeu quatro termos de intimação, mas segundo a fiscal da Vigilância Sanitária de São João de Meriti, Martha Souza, não foi feito nenhum trabalho de melhoria. “Eles já foram multados muitas vezes. Já foi interditado em 2016 por uma semana e hoje a situação está muito pior. Eles vivem de apagar fogo. Fazem alguns reparos mas depois, com o uso, não há manutenção, até porque a estrutura da construção é antiga. A situação encontrada aqui hoje é precária.O que mais chamou atenção na padaria foi a falta de arrumação generalizada. Estava tudo desarrumado, os equipamentos em péssimo estado de conservação. Já as mercadorias estavam acondicionadas inadequadamente", afirmou Martha. Ela também chamou a atenção para a forma imprópria no uso do raticida no local, espalhado em embalagens avulsas e abertas, expostas aos produtos que estão à venda aos consumidores. O correto para esse tipo de produto é ser acondicionado em caixa de ponto de discagem permanente ou ponto de envenenamento permanente (PEP) ”, concluiu Martha.

O deputado Giovani Ratinho (PTC) membro da Comissão de Segurança Alimentar da Casa, garantiu que se os funcionários desrespeitarem a determinação de interdição do estabelecimento, a Comissão voltará ao estabelecimento acompanhada da polícia. “Esse supermercado é reincidente nesta prática de irregularidade: alimentos vencidos; parte elétrica inadequada, podendo fazer com que o estabelecimento pegue fogo; infiltração; os banheiros também em condições de precariedade para os funcionários e clientes. Vamos intensificar as fiscalizações, como a deputada Lucinha falou, em toda a Baixada Fluminense. Voltaremos a São João de Meriti. Estamos aqui para cumprir nosso papel de fiscalizador do povo. O supermercado será lacrado e fechado, se tornarem a reabrir, voltarei com a polícia e a fiscalização. As pessoas que aceitarem reabrir o supermercado, novamente nessas condições, serão penalizadas”, disse Ratinho. Nesta terça-feira (11/06) o supermercado será inspecionado por homens do Corpo de Bombeiros do quartel de Duque de Caxias, para fiscalização da parte elétrica do estabelecimento comercial.

FacebookTwitterGoogle+ Email