PUBLICAÇÕES

NOTÍCIAS
VOLTAR

FacebookTwitterGoogle+ Email

13.09.2019 - 17:00 Por Helio Lopes

COMISSÕES DA ALERJ INICIAM MOVIMENTO CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DA ELETROBRAS

1/1
  • Por Julia Passos
    Comissões de Ciência e Tecnologia e Minas e Energia realizam audiência pública conjunta para debater a privatização do sistema elétrico brasileiro.
  • Por Julia Passos
    Deputado Waldeck Carneiro (PT) presidente da comissão de Ciência e Tecnologia
  • Por Julia Passos
    Comissões de Ciência e Tecnologia e Minas e Energia realizam audiência pública conjunta para debater a privatização do sistema elétrico brasileiro.
  • Por Julia Passos
    Deputado Max Lemos (MDB) presidente da comissão de Minas e Energia

Demissões e aumento das tarifas. Esses foram os impactos relacionados à privatização da Eletrobras, pautada pelo governo federal para começar a tramitar no dia 20 de outubro, e que foram discutidos em audiência pública conjunta das Comissões de Ciência e Tecnologia e Minas e Energia da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), nesta sexta-feira (13/9).

Emanuel Mendes, diretor do Sindicato dos Eletricitários do Estado do Rio de Janeiro, argumentou que a privatização levará a demissões em massa e vai piorar a qualidade dos serviços prestados. “Um trabalhador da Eletrobras demora muitos anos para se aperfeiçoar. Não é qualquer um que faz manutenção de uma linha de transmissão. A privatização trará muitas demissões e precarização das condições de trabalho”, explicou. De acordo com os sindicatos ligados aos trabalhadores do setor elétrico são cerca de 7 mil funcionários da estatal só no Rio.

O diretor da Associação dos Empregados de Furnas, Felipe Araujo, ressaltou que o Rio de Janeiro sofrerá especialmente os efeitos da privatização da Eletrobras. Por isso, a audiência pública serviu para sensibilizar os políticos e a população fluminense sobre o tema. “Haverá um impacto enorme na questão fiscal, nos empregos e também em relação a questões estratégicas, porque no Rio de Janeiro está o controle da matriz de transmissão de energia do país”, apontou Felipe.

Segundo Luiz Cosenza, presidente do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura do Rio de Janeiro (Crea-RJ), a venda da estatal é um grande erro. “Nós somos contra a privatização do setor elétrico porque não temos dúvida que vai acabar com a Engenharia do país. Vai causar desemprego e aumento na tarifa”, avaliou. No encontro de hoje na Alerj, os técnicos da Eletrobras ressaltaram que, se efetivada, a privatização deve elevar a tarifa de energia elétrica em cerca de 30%.

O presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia, Waldeck Carneiro (PT), afirmou que o setor elétrico é estratégico para o desenvolvimento do país e para a soberania nacional. “Os países centrais na geopolítica mundial controlam o setor elétrico. Mesmo os países mais liberais não abrem mão de controlar esse setor. Nos Estados Unidos, por exemplo, cerca de 75% das hidroelétricas são controladas ou pelo Estado ou pelas Forças Armadas, dada a relevância desse ativo”, explicou.

O presidente da Comissão de Minas e Energia, Max Lemos (MDB), também se posicionou de forma contrária à privatização. “O Rio de Janeiro vai sofrer muito com a privatização da Eletrobras. Nós temos aqui as sedes de Furnas, do Cepel e da Eletronuclear. Essa audiência pública é para entender o que está acontecendo. Toda hora tem alguém querendo tirar alguma coisa do Rio de Janeiro. Nossa obrigação é defender o estado”, afirmou.

 

 

FacebookTwitterGoogle+ Email