PUBLICAÇÕES

NOTÍCIAS
VOLTAR

FacebookTwitterGoogle+ Email

25.03.2019 - 17:00 Por Audryn Karolyne e Leon Lucius

COMISSÃO DE CULTURA ABRE INSCRIÇÕES PARA DIPLOMA HELONEIDA STUDART

  • Por Thiago Lontra
    Cerimônia de entrega do Diploma Heloneida Studart de 2018

Começam hoje (25/03) as inscrições para o Diploma Heloneida Studart, que será entregue em junho deste ano. O diploma é um instrumento de reconhecimento e estímulo às boas práticas culturais promovido pela Comissão de Cultura da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). Os interessados poderão se inscrever até o dia 3 de maio.

O diploma poderá contemplar pessoas físicas e jurídicas, organizações não governamentais e outras instituições que atuem nas áreas dispostas pelo Sistema Estadual de Cultura (saiba mais aqui), como artes visuais, música, teatro, gastronomia e gestão cultural, entre outros. A seleção levará em consideração a distribuição territorial no estado do Rio de Janeiro, dentre as inscrições recebidas, bem como a diversidade de áreas de atuação.

"O Diploma Heloneida Studart tem uma importância dupla: contribui com o reconhecimento de ações e projetos culturais em todo o estado, sobretudo aqueles que são comunitários, independentes, populares e feitos com muito esforço pelos artistas e coletivos. Por outro lado, homenageia uma mulher que foi a frente do seu tempo, feminista, militante pelos direitos humanos e culturais, sempre em defesa da democracia e da justiça social, o que nesses tempos que estamos vivendo é fundamental", destacou o deputado Eliomar Coelho (PSol), presidente da comissão.

As inscrições podem ser feitas através deste formulário.

A história por trás do diploma

Criado em 2009 por meio da Resolução nº 874/09, o diploma carrega o nome da escritora e ex-deputada estadual Heloneida Studart. Eleita parlamentar seis vezes, ela se destacou por sua atuação feminista. Na Casa, participou, durante a Constituinte, do chamado "lobby do batom", para a inclusão dos direitos trabalhistas da mulher, incluindo os 120 dias de licença-maternidade. Antes de falecer, em 2007, ela foi nomeada diretora do Centro Cultural da Alerj e do Fórum de Desenvolvimento Estratégico.

Cearense, Helô, como chamavam os mais próximos, veio para o Rio aos 16 anos, atuando como jornalista e escritora. O Correio da Manhã, o Diário de Notícias e a revista Manchete foram alguns dos veículos em que ela escreveu. Heloneida também deixou uma série de obras literárias, como romances, ensaios, crônicas e peças teatrais

FacebookTwitterGoogle+ Email