PUBLICAÇÕES

NOTÍCIAS
VOLTAR

FacebookTwitterGoogle+ Email

27.12.2018 - 15:55 Por Buanna Rosa

INTERVENTORES FEDERAIS SÃO HOMENAGEADOS PELA ALERJ

1/1
  • Por Octacílio Barbosa
    O interventor, General Braga Netto
  • Por Octacílio Barbosa
    Foto geral da cerimônia
  • Por Octacílio Barbosa
    Foto geral da cerimônia
  • Por Octacílio Barbosa
    O governador Francisco Dornelles (PP)

O Interventor Federal e Comandante Militar do Leste, general de Exército Walter Souza Braga Netto, e o secretário de Estado Segurança, general Richard Nunes, receberam nesta quinta-feira (27/12), das mãos do presidente em exercício da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), deputado André Ceciliano (PT), e do governador em exercício do Rio, Francisco Dornelles, a Medalha Tiradentes. A entrega da maior homenagem do Legislativo fluminense foi realizada durante cerimônia simbólica de encerramento da intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro, no Palácio Duque de Caxias, centro do Rio.

“Eles fizeram um belo trabalho nos últimos 10 meses no estado do Rio. A gente espera que isso possa dar frutos. É uma área sensível e difícil e os militares tiveram um papel muito importante no Rio de Janeiro. É sempre bom lembrarmos que, quando eles chegaram aqui, nós estávamos com os salários atrasados e com uma intervenção na área econômica. Em resposta, a Assembleia aprovou por unanimidade a entrega das duas medalhas. É muito importante que a gente continue tendo essa parceria com as Forças Armadas e esperamos que o próximo governador tenha essa sensibilidade”, afirmou Ceciliano. Na cerimônia, o presidente da Alerj também foi um dos homenageados com a moeda do Exército Brasileiro - entregue em momentos históricos da instituição.

Também estiveram presentes no evento o ministro da Justiça, Torquato Jardim, o prefeito do Rio, Marcelo Crivella e a presidente da Comissão de Segurança da Alerj, deputada Martha Rocha (PDT). Em discurso, Braga Netto afirmou que atingiu os objetivos propostos.”Temos a convicção de que trilhamos um caminho difícil e incerto, mas cumprimos a missão. Recuperamos a capacidade operativa dos órgãos de segurança pública e baixamos os índices de criminalidade”, declarou. Segundo dados do Instituto de Segurança Pública (ISP), o número de roubos de carga caiu quase 20% durante a intervenção federal. Homicídios também reduziram 6%.

Intervenção inédita

O decreto que tirou do governador Luiz Fernando Pezão o comando sobre as polícias foi assinado pelo presidente Michel Temer em 16 de fevereiro. Com a intervenção, o cargo de comando foi dado ao general Braga Netto. Os militares já estavam no Rio desde 2017, em ações pontuais e em articulação com o governo estadual. De fevereiro para cá, todas as decisões sobre a segurança do Rio passaram a ser tomadas pelo interventor.

“O Rio sempre preferiu enfrentar seus desafios de forma transparente e, por isso, não hesitou ao pedir auxílio federal. As medalhas demonstram agradecimento do estado à intervenção, caracterizada pelo planejamento bem sucedido que conseguiu instaurar a ordem no estado. O legado da intervenção será preservado”, disse o governador Francisco Dornelles.

Segundo as Forças Armadas, foram empenhados 74% do valor total de R$ 1,2 bilhão destinado à operação. Até o dia 31 de dezembro, quando oficialmente termina a intervenção, o Exército pretende concluir a compra de mais três helicópteros, dois para a Polícia Civil e um para o Corpo de Bombeiros, entre outros equipamentos.

FacebookTwitterGoogle+ Email