PUBLICAÇÕES

NOTÍCIAS
VOLTAR

FacebookTwitterGoogle+ Email

14.11.2017 - 16:04 Por Vanessa Schumacker Pinheiro

DIA MUNDIAL DE COMBATE AO DIABETES É CELEBRADO NA ALERJ

  • Por Rafael Wallace
    Foto geral da reunião

O Rio de Janeiro é a capital com o maior percentual de diabéticos do país - 10,4% da população, segundo a Frente Parlamentar de Combate e Prevenção a Diabetes da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). No Brasil mais de 14 milhões de pessoas têm a doença, sendo que 40% ainda não sabem. De acordo com o presidente da Frente, deputado Gilberto Palmares (PT), o diabetes é uma doença silenciosa. Por isso, o petista destacou, durante a reunião que celebrou o Dia Mundial de Combate ao Diabetes, nesta terça-feira (14/11), a importância de alertar a população sobre os riscos da doença.

"Hoje a Alerj está fazendo a sua parte em um tema tão importante. Precisamos de iniciativas de educação sobre prevenção e tratamento", disse. Palmares é autor de dois projetos de lei no apoio à causa. "A política de atenção é fundamental, por isso meu projeto prevê a destinação da verba do Fundo de Combate à Pobreza para o Programa de Fornecimento de Insumos e Medicamentos para Diabéticos", ressaltou o deputado.

De acordo com a vice-presidente da Associação dos Diabéticos da Lagoa (Adila), Sheila Vasconcellos, a falta de medicamentos nos postos de saúde pode acarretar a morte de um paciente. "Não podemos deixar faltar insumos para o tratamento. A fita de medição de glicemia e a insulina são fundamentais, sem eles o diabético não consegue sobreviver", frisou. Segundo Sheila, já há falta de insumos no estado. "Com essa crise que estamos vivendo na saúde, não temos segurança de que no próximo mês teremos essa fita. Semana passada estava em falta em um posto de saúde. O tratamento já é difícil e só queremos que o governo nos dê essa tranquilidade", alertou.

Campanha

A médica endocrinologista e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Lenita Zajdenverg, lembrou que o tema escolhido esse ano para a campanha nacional, realizada desde 2007, foi “Mulheres e Diabetes: nosso direito a um futuro saudável”. Segundo Lenita, de cada seis nascidos vivos, um é de uma gravidez com diabetes e 84% desses casos são devidos ao diabetes gestacional. "É fundamental que a mulher grávida faça exames para verificar o nível de açúcar no sangue. Gravidez não é doença, mas aliada à falta de exercícios físicos e ao excesso de peso, pode desencadear a doença, que acarreta complicações para a mãe e até risco de vida para o bebê", lembrou a médica. Lenita disse, ainda, que a maior ocorrência da doença é entre as mulheres.

FacebookTwitterGoogle+ Email