PUBLICAÇÕES

NOTÍCIAS
VOLTAR

FacebookTwitterGoogle+ Email

12.02.2020 - 15:22 Por Gisele Araújo

FÓRUM DA ALERJ PROJETA MAIOR INTERAÇÃO COM AS ÁREAS DA EDUCAÇÃO E TRANSPORTE

1/1
  • Por Julia Passos
    Fórum da Alerj apresenta agenda para 2020.
  • Por Julia Passos
    Geiza Rocha, subdiretora geral do Fórum.
  • Por Julia Passos
    Presidente da Fetranscarga, Eduardo Rebuzzi.
  • Por Julia Passos
    Ricardo Lodi, Reitor da UERJ.
  • Por Julia Passos
    Coordenador Estadual do Censo IBGE, Gabriel Barros.

Apresentar e discutir as realizações de 2019 e a agenda de trabalho para 2020 foi o tema do primeiro encontro geral do Fórum Permanente de Desenvolvimento Estratégico, da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), que aconteceu nesta quarta-feira (12/02) no auditório da Escola do Legislativo (Elerj). Foi consenso que o trabalho este ano caminha para uma maior interação com as áreas da educação e da saúde.

Durante a reunião, a secretária-geral do Fórum, Geiza Rocha, apresentou um balanço dos trabalhos realizados pelas Câmaras Setoriais (Agronegócios; Cultura, Turismo e Esportes; Desenvolvimento Sustentável; Energia; Formação Profissional e Educação Tecnológica; Gestão e Políticas Públicas; Infraestrutura e Logística; e Tecnologia) e pelos Grupos de Trabalho (Negócios Sociais e Selo Arte) compõem o Fórum de Desenvolvimento do Rio.

“O primeiro encontro do Fórum é de suma importância, porque é a partir dele que a gente inicia e define como cada câmara setorial vai se comportar, quais as temáticas reforçadas do ano que passou e quais novas serão abordadas", comentou.

Além dos membros das oito câmaras setoriais, estavam presentes também na reunião, representantes de instituições estratégicas para o desenvolvimento do estado, como o presidente da Federação do Transporte de Cargas do Estado do Rio de Janeiro (Fetranscarga), Eduardo Rebuzzi, que considera a interação com o legislativo o primeiro passo para o estado sair da crise. “O transporte, por exemplo, da qual eu participo, é uma atividade meio. É o nosso setor que transporta para o comércio, para a indústria, abastece os portos, aeroportos e ferrovias, então ele tem que estar integrado com os demais modais e com a economia e seu crescimento”, comentou.

Fórum Capacita

Em 2019, o Fórum de Desenvolvimento organizou o lançamento do Censo Agro do estado e em 2020 visa maior interação entre o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) e o parlamento. A primeira iniciativa deste ano será a palestra do Fórum Capacita, uma das iniciativas do órgão no ano passado, para conhecer a plataforma interativa de visualização de dados do IBGE, conhecida como Sidra. O coordenador estadual do censo IBGE, Gabriel Barros, esteve no encontro e falou sobre a importância da parceria.

“O banco Sidra é a principal ferramenta que o cidadão e as instituições têm para ter acesso aos dados que o IBGE produz. É importante termos essa aproximação com a Alerj, principalmente porque este ano iremos realizar mais um censo, que é decenal, e vai a campo em agosto, sendo três meses de coleta, sendo fundamental que a população saiba, receba e responda o recenseador em sua casa, porque são dados importantes para futuros projetos sociais”, declarou.

Durante a reunião, representantes de instituições educacionais de pesquisas científicas e desenvolvimentos tecnológicos presentes nas universidades do estado apresentaram suas perspectivas tecnológicas advindas de estudos acadêmicos, visando, assim, contribuir em todos os setores nos quais o Fórum atua. O reitor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), Ricardo Lodi, acredita que o desenvolvimento de qualquer área estadual perpassa a interação com a educação.

“Para a Uerj, o Fórum de Desenvolvimento do Rio é um passo muito importante na articulação entre academia e demais entidades da sociedade civil com o parlamento e o governo do estado. Universidades fluminenses têm, cada uma com suas peculiaridades, expertises em praticamente todas as áreas do conhecimento, e o estado do Rio de Janeiro não pode e não deve se furtar a lançar mão dessa capacidade instalada para discutir as soluções para os problemas da nossa sociedade”, afirmou o reitor.

 

 

 

FacebookTwitterGoogle+ Email