PUBLICAÇÕES

NOTÍCIAS
VOLTAR

FacebookTwitterGoogle+ Email

17.03.2017 - 18:32 Por Vanessa Schumacker

COMISSÃO DE SAÚDE DA ALERJ VAI À BRASILIA POR RECURSOS PARA O HOSPITAL DA POSSE

1/1
  • Por Thiago Lontra
    Deputados Dr. Deodalto (DEM), Fábio Silva (PMDB) e Enfermeira Rejane (PD do B) em vistoria no HGNI.
  • Por Thiago Lontra
    Hospital Geral de Nova Iguaçu (HGNI).
  • Por Thiago Lontra
    Comissão de Saúde faz vistoria no Hospital Geral de Nova Iguaçu (HGNI).
  • Por Thiago Lontra
    Comissão de Saúde da Alerj em vistoria no Hospital Geral de Nova Iguaçu (HGNI).
  • Por Thiago Lontra
    Comissão de Saúde da Alerj em vistoria no Hospital Geral de Nova Iguaçu (HGNI).

A Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) vai a Brasília na próxima semana pedir ao ministro da Saúde, Ricardo Barros, a regularização dos repasses da União para o Hospital Geral de Nova Iguaçu, conhecido como Hospital da Posse. A decisão foi anunciada na tarde desta sexta feira (17/3) durante uma vistoria realizada pela comissão.

A unidade foi municipalizada em 2002 e, segundo o diretor geral do hospital, Dr. Joé Sestello, o termo de cessão feito à época determinava a divisão do custeio entre município, estado e União. "Os repasses encontram-se defasados e atrasados. O Hospital precisa de R$ 20 milhões mensais para manter o atendimento. Recebemos cerca de R$ 8 milhões da União, e faz mais de dois anos e meio que o Estado não cumpre com a sua obrigação de repassar R$1,5 milhão por mês", disse Sestello. Segundo ele, a prefeitura tem arcado com a maior parte do financiamento e, se os repasses não forem regularizados, o hospital corre o risco de fechar.

Com capacidade para quatro mil atendimentos por mês, a unidade atende cerca de 12 mil pessoas. Mais da metade dos pacientes vem de outros municípios da Baixada Fluminense. Presidente da comissão, o deputado Fábio Silva (PMDB) disse que os repasses federais mensais são insuficientes diante da importância do hospital. "Essa situação está comprometendo o atendimento. Quero saber o porque de um repasse tão pequeno para uma unidade que atende toda a Baixada", disse.

Importância regional

Localizado próximo à Rodovia Presidente Dutra, a unidade conta com 490 leitos para atender a quatro milhões de habitantes da região da Baixada Fluminense. A dona de casa Thaís de Salles Ferreira, contou que a mãe foi atropelada há 10 dias em Belford Roxo. Levada para a unidade, aguarda a chegada de material para a realização da cirurgia. "Nossa situação é desesperadora. Não sabemos quando vai chegar e depois a minha mãe ainda vai ter que entrar em uma fila, com essa demora ela corre o risco de não se recuperar. ela está em um enfermaria lotada, sem nenhuma privacidade, enquanto aguarda", relatou Thaís.

A deputada Enfermeira Rejane (PC do B) ressaltou que o hospital precisa de ajuda política. "É isso que estamos fazendo aqui no dia de hoje. Precisamos fazer com que o ministro entenda a diferença desse hospital para o do Andaraí por exemplo, que atende um bairro. Aqui não, é um hospital federal, que foi municipalizado e atende toda a região", afirmou. Segundo a deputada, audiências públicas e reunião com prefeitos da Baixada também vão acontecer.

O deputado Milton Rangel (DEM), reforçou a importância de o Ministério da Saúde reconhecer a unidade como um Hospital Regional. Segundo o parlamentar, há outros hospitais com demandas menores que recebem do Governo Federal cinco vezes mais do que o Hospital da Posse. "O Hospital Geral de Bonsucesso é um exemplo disso. Tem as mesmas características deste e recebe muito mais verba da União", explicou.

Os deputados Luiz Martins (PDT) e Dr. Deodalto (DEM) também estiveram presentes na vistoria.

FacebookTwitterGoogle+ Email