PUBLICAÇÕES

NOTÍCIAS
VOLTAR

FacebookTwitterGoogle+ Email

19.09.2019 - 16:40 Por Nívia Souza

ALERJ TENTARÁ RECUPERAR RECURSOS PARA SANEAMENTO NO ENTORNO DA BAÍA DE GUANABARA

1/1
  • Por Octacílio Barbosa
    Foto geral da reunião
  • Por Octacílio Barbosa
    Arody Herdy, reitor da UNIGRANRIO
  • Por Octacílio Barbosa
    O deputado André Ceciliano (PT)
  • Por Octacílio Barbosa
    O deputado Jorge Felippe Neto (PSD)
  • Por Octacílio Barbosa
    O deputado Rosenverg Reis (MDB)

Deputados estaduais do Rio de Janeiro estão mobilizados para tentar reverter a perda de R$ 700 milhões destinados a captação e tratamento de esgoto do entorno da Baía de Guanabara. O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) suspendeu o financiamento dos recursos, alegando "falta de comunicação efetiva entre o estado e o governo federal" no cumprimento do Regime de Recuperação Fiscal. O dinheiro representa 70% do Programa de Saneamento dos Municípios do Entorno da Baía de Guanabara (PSAM).

Os parlamentares vão procurar o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), o senador Flávio Bolsonaro (PSL) e outros integrantes das bancadas do estado em busca de uma solução. A declaração foi feita pelo presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), deputado André Ceciliano (PT), nesta quinta-feira (19/09), durante abertura do seminário internacional “Planejamento e Sustentabilidade na Gestão de Resíduos e Limpeza Urbana”, realizado pela Universidade do Grande Rio (Unigranrio), em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.
“Na hora da assinatura do Plano de Recuperação Fiscal não tinha previsão desses recursos. Então os técnicos do Tesouro Nacional não querem autorizar a captação do dinheiro. Vamos fazer um esforço e conversar com o presidente da Câmara e todos os parlamentares do estado, chamar os senadores, em especial o Flávio Bolsonaro, para que possamos contabilizar, na assinatura do plano, esses recursos”, destacou o deputado.

Durante o evento, foram discutidas propostas de financiamento para tornar mais eficaz a coleta e a disposição de resíduos sólidos. Um dos exemplos apresentados foi o de Portugal, que eliminou, em cinco anos, mais de 300 lixões. O país europeu é referência internacional em gestão de resíduos e utiliza aterros sanitários e logística reversa de resíduos.

Economia brasileira perde milhões por falta de reciclagem

No Brasil, a economia perde cerca de R$ 120 bilhões por ano em produtos que poderiam ser reciclados, mas são jogados no lixo. Dos quase 80 milhões de toneladas de rejeitos produzidos anualmente no país, apenas 3% são reciclados. Do total capturado pelo sistema de coleta regular 40,9% do lixo no país são descartados de forma inadequada, num total de 29 milhões de toneladas, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos.

Ceciliano lembrou que o problema da destinação correta dos resíduos sólidos pode melhorar se houver uma mudança de hábitos da população. “Esse é um desafio no mundo inteiro. Na verdade, ninguém tem uma solução eficaz, mas acredito que a coleta seletiva é uma boa opção, separar o lixo e dar uma destinação, além de poder gerar emprego e renda, através do lixo. Mas o problema está em todos os países do mundo, todos os estados e municípios, e é necessária mudança de comportamento da população. A educação nesse aspecto também pode começar na sala de aula”, afirmou Ceciliano.

O prefeito de Duque de Caxias, Washington Reis, defendeu que todos os cidadãos devem estar envolvidos na gestão de resíduos, principalmente em relação à destinação final do lixo. “Cada um deve cumprir seu dever. Há comerciantes que jogam mais lixo na rua ao fecharem o estabelecimento. Esses deveriam pagar mais pela taxa de coleta. Além disso, nós precisamos, aqui no município, de empresas de saneamento que também servirão para maior geração de empregos”, explicou o prefeito.

A secretária estadual de Ambiente e Sustentabilidade, Ana Lúcia Santoro, também esteve presente na abertura do seminário e relacionou o crescente acúmulo de lixo ao crescimento populacional. “Apenas 1% do lixo coletado no Estado do Rio é reciclado. Essa questão afeta diretamente a qualidade de vida da população e atinge o meio ambiente. A sociedade sempre se afastou da importância da finalidade dos resíduos, e isso é um desafio para os município e para o estado com um todo”, disse Ana Lúcia.

O reitor da UnigranRio, o professor Arody Herdy, ressaltou a importância do evento para inserir a população na conscientização sobre o tema. “A questão da gestão de resíduos e limpeza urbana é relevante e muito desafiadora. Não se trata de um evento isolado da universidade porque contamos com o apoio das autoridades.”, afirmou o reitor da universidade.

Também participaram da abertura do seminário os deputados Léo Vieira (PRB), Rosenverg Reis (MDB), Max Lemos (MDB), Jorge Felippe Neto, além dos prefeitos dos municípios de Piraí, Luiz Antônio da Silva Neves; de Mesquita, Jorge Miranda; de Nilópolis, Farid Abrahão David; e de Nova Iguaçu, Rogério Lisboa.

 

FacebookTwitterGoogle+ Email